sexta-feira, 19 de agosto de 2016

Ultima parada

Meu nome é Wilton, tenho 27 anos e este é meu relato da noite em que desapareci, se acharem esta carta, favor avisarem para meus pais e minha noiva que eu os amo muito.

Endereço: ***************
Número: 25
Bairro: **********
Cidade: São Paulo - Osasco

Para quem quer que encontre esta carta, fica meu aviso! SAIA DESTE VAGÃO, FUJA O MAIS RÁPIDO E O MAIS LONGE POSSÍVEL, ESSE MALDITO VAGÃO VAI TE LEVAR E TE ATORMENTAR PELA ETERNIDADE E NINGUÉM VIRÁ AO SEU SOCORRO.


Estou deixando esta carta escondida, pois temo que eles possam encontrar e destruir os meus esforços para alertar as pessoas sobre este maldito vagão.


Estou esperando o trem na estação, é tarde da noite e o frio esta insuportável.

Ouço o trem chegando, vagarosamente, é irritante, parece que o condutor faz de proposito.

Ele para, entro no vagão e me sento, mas logo ouço uma vós feminina: "Este trem não prosseguirá viagem, favor desembarcar nesta estação".

Frustrante! Estou a horas esperando este maldito trem e ele vai ser recolhido? Levanto-me e vou em direção a porta para sair, mas repentinamente ela se fecha. Tento abri-la, porem a porta não se move, grito e ninguém aparece.

O trem começa a se mover, me acalmo e me sento, pelo menos aqui estou aquecido e quando chegar (seja lá onde for), explico a situação.

O trem fica rodando e vai para uma parte da linha totalmente deserta, só vejo arvores e mato pelas janelas, até que tudo fica escuro, era como se o trem estivesse em um túnel, comecei a ficar assustado pois não saiamos da escuridão.

O trem já estava a horas nesta escuridão, olho para o celular, afim de ver as horas mas ele não liga, talvez a bateria tenha descarregado, as luzes começam a piscar no vagão. A
gora realmente estou assustado, em um impulso eu aciono o sistema de emergência, mas o trem continua seu caminho.

fico andando de um canto a outro do vagão, as luzes estão piscando freneticamente agora, me sento e abaixo a cabeça tentando raciocinar o que poderia estar acontecendo, foi quando o trem começou a parar.

Fico aliviado, me levanto e vou em direção a porta o mais rápido que pude, mas quando olho para fora só vejo a escuridão. Era como se não tivesse nada do lado de fora, olho para baixo e só vejo mais escuridão interminável.

Eu grito: - Ei! Tem alguém ai? - O som ecoa para todos os lados, ninguém responde.

Me sento novamente, fico tentando entender a tudo aquilo, onde eu estava? O que era este lugar?

Foi quando comecei a ouvir passos, me virei e vi a silhueta de alguém. parecia usar um chapéu tipo daquele vilão chinês do James Bond.

Ele estava sentado no ultimo assento do trem, me levanto e caminho em sua direção, ao chegar perto o suficiente sou acometido pelo horror, era um esqueleto, olho em minha volta e vejo vários outros esqueletos e corpos, todos com roupas de épocas diferentes! Hippies, Punks, pessoas com roupas coloniais... Todo tipo de gente morta amontoada no vagão! Fico desesperado! Vou em direção da porta e ela se fecha rapidamente! Começo a gritar! Chorar! Vasculho os corpos em busca de um celular, porem não acho nada! Pego uma bengala e tento quebrar o vidro da porta, no terceiro golpe a bengala se quebra sem fazer um arranhão ao vidro.

Tento usar o dispositivo de segurança para abrir a porta, o dispositivo não funciona.

Eu agora sei o que vai acontecer comigo! Ficarei preso neste vagão esperando a minha morte, mas antes vou deixar um aviso escondido, uma carta para que as pessoas saibam e tomem cuido ao entrar em um vagão de trem na madrugada, você pode estar indo em direção da ultima parada.


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ocorreu um erro neste gadget