quinta-feira, 21 de abril de 2016

O monstro



Estou correndo! Todos eles estão atrás de mim, não seu o que fiz, mas eles parecem estar com raiva. Nunca machuquei ninguém, nunca feri ou roubei, mas eles estão com raiva e ódio e vão chegar logo.
Estou correndo a hora, preciso descansar!
Adentro mais a floresta e acho uma pequena gruta, entro lá e tomo fôlego, estou cansado, meus pés doem, tenho arranhões por todo corpo e um ferimento na cabeça causado por uma pedrada. Eles estão perto, preciso correr.

Corro, eles continuam vindo, posso ver as tochas acesas, continuo a correr com lágrimas nos olhos.
Não sei o que fiz, simplesmente não sei, eles vieram na minha casa, me arrancaram de minha cama, meu Deus! Meus filhos! Minha esposa! Eu não sei o que fizeram com eles, eu tentei acorda-los, mas eles já estavam por toda a casa, não tive alternativa, pulei da janela e corri.
 Eu não aguento mais!
Eles estão chegando cada vez mais perto.

Deus por favor, me salve, salve meus filhos e minha esposa, salve minha família ou me de a vingança.
Eles chegaram, eles gritam palavras “Monstro”, “Aberração”... “Demônio”.
Eu não entendo, todos somos criações divinas, frutos da mesma mão que criou a tudo, porque eu sou o monstro?

Eles me alcançaram, fui jogado no chão, estão me batendo, não vejo os rostos, só enxergo a escuridão e mãos subindo e descendo com força.
 A raiva cresce dentro de mim, o ódio, porque eles fazem isso?
Consigo forças para me levantar, golpeio três deles e consigo continuar a correr.
Eles vão atrás de mim, são como cães atrás da raposa.

Estou desesperado, ouço um apito.

Eu vejo que o caminho tem um fim, um despenhadeiro. Deus, me ajude, tenha piedade deste servo.
Eles são incansáveis, estão se aproximando novamente e mais deles estão chegando.
Estou na beirada, olho para os céus e a vejo, ela esta de vestes negras, sua face pálida como o luar. Ela sorri! Por algum motivo a vós dela esta em minha cabeça, falando, é como a voz dos anjos, tem pesar na voz, mas transmite esperança! Eles chegaram, com suas armas ou com tudo que possa servir como uma. Eu sinto a pedrada atingindo minha cabeça, é o fim, então me deixo cair. E tudo se afasta, eles estão longe agora, o vento bate em meu corpo e ela esta lá, pronta para me levar para um lugar melhor, sem perseguições, sem ódio ou pesar. Só por um momento sinto á dor vindo, de uma vez, mas logo acaba.


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ocorreu um erro neste gadget